,Ovo

Image

Desde que surgiram, há 21 anos, Luciana Martins e Gerson de Oliveira fazem um trabalho situado no limite entre o design e a arte. Sem medo de experimentar e de abrir caminhos, primam por uma criação inteligente. Seus objetos têm o poder de conciliar a concisão com a capacidade de surpreender.

Uma cadeira que se esconde num cubo preto e se revela apenas ao receber o corpo do usuário; bolas de sinuca que são deslocadas de sua função para servirem de cabides; planos que desenham percursos múltiplos: são vários os exemplos de uma produção que instiga e confunde a nossa percepção, fazendo com que o nosso relacionamento com os objetos não seja de consumo (uso imediato e tantas vezes alienado), mas de fruição (que não se estanca no primeiro contato mas, antes, vai trazendo novas nuances à medida em que o tempo passa).

É nessa capacidade de oferecer mais do que a função, de brincar com a nossa percepção e nos fazer pensar, de mexer com nossos parâmetros que, a meu ver, reside a pulsão artística do trabalho da Ovo, tornando seus objetos e móveis algo para usar, mas também para ver e para colecionar. Para guardar – naquele sentido original do verbo, de preservar, manter, conservar.

Por mais instigantes que sejam à primeira vista, as peças se revelam, no uso, perfeitamente funcionais – e esse acaba sendo mais um elemento da surpresa; uma confirmação de que não abrem mão de ser design. Elas em geral são mutantes. Permitem diferentes composições, configurações e disposições, para desejos e necessidades que variam ao longo do dia ou da vida. Em muitas, assiste-se ao desdobramento da forma e/ ou da função. Podem estar no chão e subir pelas paredes, e daí voltarem novamente ao chão, ganhando novas utilidades em cada fase do percurso.

Cabideiros, prateleiras, bancos, mesas, cadeiras e sofás intercambiam suas funções. São objetos híbridos, dinâmicos, flexíveis, que rompem as fronteiras das classificações. A liberdade se manifesta também na escolha dos materiais. Eles passeiam à vontade entre os metais (aço inox, alumínio, ferro…), as madeiras (maciça, laminada, mdf), os tecidos, os vidros e os acrílicos. E, se não abusam das cores, também não se furtam a elas.

Sem cair na assepsia do modernismo tal como foi lido por tantos, como um grilhão a impedir vôos e poesia, os móveis e objetos desenvolvidos por Luciana Martins e Gerson de Oliveira têm clareza de pensamento e de construção; buscam a forma justa, sintética e depurada da criação divina que escolheram para dar nome a seu estúdio, como uma profissão de fé: ovo. Como haikais concisos e surpreendentes, comunicam a contemporaneidade e ao mesmo me parecem pré-destinados a transcender o tempo em que foram feitos.

Adélia Borges é crítica, historiadora de design e curadora. É autora de Design + Artesanato: O Caminho Brasileiro, de 2011; e Designer não é Personal Trainer, de 2002, entre outros livros. Foi diretora do Museu da Casa Brasileira (2003 a 2007) e curadorageral da Bienal Brasileira de Design (2010). É professora de história do design na Faap e jornalista colaboradora de várias publicações.

Mostrando 1–12 de 17 resultados